Tá, mas as criptomoedas são seguras?

Publicado por daniela mainardi em

A evolução das criptomoedas

Quando surge o assunto criptomoedas, muita gente se pergunta: mas elas são seguras? Bom, vamos contextualizar a história das criptos. A linha do tempo das criptomoedas, começa de fato com a criação do Bitcoin em 2008 para tentar driblar a crise financeira das hipotecas norte-americanas. Então, a partir dai, a cada ano, as criptomoedas foram valorizando cada vez mais e aumentando seu espaço no mercado.

A popularização tem dois lados

Só que a popularização das criptos também trouxe um lado negativo: os golpes. Afinal, várias vezes recebemos notícias de fraudes, esquemas de pirâmides e outros golpes envolvendo criptomoedas. Assim, a imagem das criptos acaba difamada e sendo atrelada, muitas vezes, a um contexto negativo. Sobretudo, esses golpes acontecem, pois a grande parte da população não possui conhecimento sobre criptoativos e acaba atraída por propostas de alto retorno em pouco tempo.

As criptos não são as vilãs

As criptomoedas são como qualquer outro ativo de renda variável, como, por exemplo, as ações. Além disso, tudo é organizado. Afinal, toda compra e venda de criptomoedas é feita através de tecnologia criptografada. Tecnologia essa pensada justamente para garantir a segurança de todo o processo, além de todas as transações ficarem registradas.

Momentos de alta, momentos de baixa

O valor das criptomoedas pode variar. Afinal, elas são impactadas por diversas vertentes. Porém, o lado positivo é que elas são descentralizadas, ou seja, não estão relacionadas a nenhum governo específico. Assim, na prática, significa que se um país entra em crise, ela não sofre com isso. Do mesmo modo, um bom exemplo foi a pandemia do corona vírus: enquanto diversos países enfrentavam uma crise financeira, as criptomoedas batiam recordes de valor.

Informe-se

O problema não são as criptos e sim as pessoas mal intencionadas que as utilizam para fins indevidos. Portanto, sempre que for investir o seu dinheiro, independente se for em criptos ou não, procure se informar o máximo possível. Conhecimento extra nunca faz mal para o seu bolso.


Você já nos acompanha nas redes sociais? Siga a Ubuntu Finanças no Facebook, Instagram e Linkedin e fique por dentro das novidades.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + 13 =