Projeto quer colocar Bitcoin a serviço de mulheres vítimas de violência

Publicado por daniela mainardi em

Bitcoin a serviço das mulheres

A página Mundo Cripto Feminino junto com o Projeto Hold BTC 100 lançaram uma campanha para colocar o Bitcoin a serviço de mulheres vítimas de violência. Assim, segundo o Coin Telegraph, o projeto consiste em uma arrecadação solidária para a Associação Fala Mulher. A instituição atua no enfrentamento à violência doméstica contra a mulher e no incentivo da independência financeira feminina. O objetivo da campanha é arrecadar doações em Bitcoin e outras criptos para a carteira da Associação Fala Mulher. Além disso, Edwiges Lúcia Horváth, presidente da associação, ressalta que a dependência econômica é um dos principais fatores pelos quais a mulher se sujeita à violência doméstica. Afinal, a instituição já atua há 17 anos na assistência de mulheres vítimas de violência e acolheu mais de 800 pessoas em abrigos sigilosos.

60% das multinacionais usam criptomoedas

Em torno de 60% das multinacionais já utilizam ativos digitais. Isso foi o que revelou a pesquisa colaborativa da Circle e PYMNTS, segundo o Cripto Fácil. As empresas pesquisadas afirmaram ter pelo menos US$10 milhões em vendas anuais e seus executivos revelaram grande interesse pelas criptos. Além disso, os executivos afirmaram que a tecnologia das criptos e blockchain estão se tornando mais úteis para negócios internacionais. Do mesmo modo, a cripto mais popular entre os entrevistados é o Bitcoin seguido pelas stablecoins. Outro dado interessante é que mais da metade das empresas afirmaram que o acesso aos ativos digitais é importante para seus clientes corporativos, como o acesso às criptos e à rede blockchain.

Chineses seguem usando criptomoedas

Mesmo após o governo chinês ter colocado restrições para o uso de criptomoedas, a população continua usando-as. Assim, segundo o Coin Times, reguladores japoneses verificaram que muitos cidadãos chineses estavam redirecionando seu dinheiro para o Japão. Desde setembro, quando foi feita a proibição do uso de criptos na China, surgiram diversas especulações de como os usuários lidariam com essas novas regras. Do mesmo modo, vários executivos já tinham se manifestado contra essa decisão.


Você já nos acompanha nas redes sociais? Siga a Ubuntu Finanças no Facebook, Instagram e Linkedin e fique por dentro das novidades.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + 3 =