Número de jovens investidores cresceu e eles querem criptomoedas

Publicado por daniela mainardi em

Cresce o interesse dos jovens em criptomoedas

Desde o ano passado, depois da crise financeira iniciada pela pandemia, cresceu o número de jovens investidores e grande parte deles, interessados em criptomoedas. Assim, segundo o Coin Telegraph, a pesquisa realizada pela Nu Invest mostrou que os investidores de 18 a 24 anos aumentaram em 48% no último ano. Isso porque, segundo a pesquisa, a oferta de conteúdos online sobre educação financeira aumentou e influenciou positivamente a busca por investimentos. Do mesmo modo, outro estudo feito pela rede social Yubo (voltada para a geração z) com 1269 jovens, revelou que 35% dos seus usuários compram criptomoedas. Além disso, 75% dos entrevistados acreditam que as criptos serão as moedas do futuro.

Walmart entrando no mercado de criptomoedas

Mais uma grande empresa interessada em criptomoedas. Segundo o Live Coins, o Walmart abriu uma vaga recentemente para focar em desenvolvimento de produtos de moeda digital e criptomoeda. A empresa deixou claro, na descrição da vaga, seu interesse em ampliar as formas de pagamento para os clientes. Afinal, ano passado o Walmart já tinha entrado com um pedido de patente para uma moeda digital baseada em blockchain. Até os gigantes do varejo já estão se adaptando às criptos.

Argentina de olho nas criptos

Depois do Paraguai e Uruguai mostrarem interesse nas criptos, agora é a vez da Argentina. Isso porque o presidente do país, Alberto Fernández, comentou que as criptomoedas podem ser utilizadas para combater a inflação, segundo o Cripto Fácil. Apesar de não ter nenhum plano definido, Fernández afirma que é importante debater o assunto. Afinal, ele defende que as criptomoedas já são uma tendência mundial e a Argentina não pode ficar de fora. Ele comentou que “Você tem que se acostumar, aproveitar o bem e regulá-lo de alguma forma, porque pode levar a abusos. A vantagem é que o efeito inflacionário seria contido e até anulado de alguma forma. Afinal, elas (criptomoedas) são moedas fortes”. E esse parece ser um rumo com boas perspectivas no país, pois o presidente do Banco Central argentino afirmou que já existe um estudo sobre integração do Bitcoin e os sistemas de pagamento na Argentina.


Você já nos acompanha nas redes sociais? Siga a Ubuntu Finanças no Facebook, Instagram e Linkedin e fique por dentro das novidades.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 17 =